Pages

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Realidade

Ontem abri a janela e por acaso olhei as estrelas
E por um momento acreditei que elas conversavam
Mas não pude entendê-las
Pelo ritmo até parecia que cantavam

Dizem que elas não estão mais lá
Então é irreal o que eu posso enxergar?
Ouço uma música que é o eco do nada
Posso eu também ser uma miragem por outro avistada?

Em um mundo em que eu não mais existo
Mesmo assim por todos sou visto
Quase tão famoso quanto Cristo

E eles me enxergam de uma janela tão distante
Mas não vêem tanto do que está por perto
O que seria então mais importante?
O fantasma do Eu ou que se sabe ao certo?

Posso estar sonhando com olhos abertos
E vivendo quando com os mesmos fechados
E mesmo sabendo que quase tudo é incerto
Fico feliz por não saber que estou errado.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Sinto?

Um dia desejei nunca mais ter aquele sentimento
E que essa suposta fortaleza me protegeria para sempre
Imune aos ataques das batalhas da vida
Desejei a frieza de um iceberg
E assim sem mais sofrer

Que ironia é hoje  sofrer por essa frieza
Onde foi parar? Eu o perdi? Ou ainda está aqui e não encontro?
Acho que sim, faz sentido
Não quero ter perdido
Eu preciso disso, todos precisam
Que não seja o fim
Que seja um recomeço
Nós o acharemos e consertaremos tudo
E tudo ficará bem.