Pages

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Brilho do olhar




O brilho que foge do meu olhar
A falta de sorte quando tenho medo de falhar
Não gosto desse jogo de azar

Liberdade
Pássaro que é pássaro não vive dentro de uma gaiola
Voa contra o vento e contra o tempo e contra todo tormento
Abaixo das estrelas que apontam o caminho certo
Mesmo já estando mortas ainda brilham
Então como posso eu perder o brilho do olhar se ainda vivo?

Posso até me perder no meio do caminho
Mas também tenho estrelas que me guiam
E posso até me sentir sozinho
Mas as estrelas também me amparam.
E talvez até mesmo antes de você piscar
Verá novamente o brilho do meu olhar.

9 comentários:

  1. Lindo poema! Você faz uma bela relação entre determinação e as estelas. Ficou muito bom. =)

    Abraços!

    http://neowellblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  2. Que lindo poema...eu adorei!
    O uso das figuras de linguagem deu um efeito muuuito bom ao texto, parabéns =)
    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo poema e pelo blog! seguindo, siga-me tbm!

    http://fazendoasocial.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Belo poema meu camarada
    continue assim!

    ResponderExcluir
  5. Adorei meu lindo! =)

    Ah estrelas naum precisam te amparar, vc nunca vai estar sozinho....eu tô aqui sempre! HAHAHA...

    ( Que declaração que eu fiz agora hein?! rs )

    Adoro vc !

    Beijãoo

    ResponderExcluir
  6. eu sou a estrela mais forte pra te amparar sempre que precisar ;****


    adoro (L)

    ResponderExcluir
  7. oohhnn, brigado vitinha =). Digo o mesmo pra vc ^^

    ResponderExcluir
  8. Estamos aqui querido *-*

    http://diaryoofateenage.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Meu caro poeta,
    Quão sublime são suas palavras.
    Eu realmente me encantei
    com tudo que neste poema você disse.
    E ademais eu também me identifiquei muito
    com trecho que você fala
    do pássaro que voa contra o vento.
    De fato, meus parabéns.

    http://denisemendes.blogspot.com/2009/08/o-menino-e-o-velho.html

    ResponderExcluir